quinta-feira, 14 de março de 2013

Cosméticos para bebês: a escolha certa!

http://crisete.bebeblog.com.br/
Olá pessoas queridas, bom dia!


Quando temos nosso bebê, queremos sempre eles muito limpinhos e cheirosos e como pais de 1ª viagem, nos atraimos por muitos tipos de produtos pra eles, entre shampos, condicionadores, cremes e perfumes e mais uma infinidade de coisas diferentes. Mas antes de sair pegando tudo que vemos na prateleiras temos que tomar muito cuidado, escolher muito bem, pois a pele do bebê é mais fina, mais sensível e por isso mais vulnerável.
Quanto mais novo o bebê, mais criteriosa deve ser a escolha, opte por marcas idôneas, prestando atenção à data de validade e aconselhando-se com o pediatra antes de experimentar uma novidade.
Nem sempre o melhor produto é o mais caro, pra mim o melhor produto é aquele que o bebê se dá bem, porque cada criança reage de um jeito.

Temos muitas opiniões divergentes quanto ao uso de cosmeticos nos bebês, de acordo com a consultora técnica, responsável pelo desenvolvimento de linhas cosméticas como a "Natura Mamãe Bebê" e a "Turma da Xuxinha", Sonia, que atua há 25 anos nessa área e observa que o ideal seria a utilização de cosméticos a partir de um ano de idade. Até chegar lá, toda a atenção é pouca na escolha dos produtos.
Segundo a engenheira Suemi Kobashi, gerente de produto da Nívea, a renovação celular no adulto ocorre em média a cada 28 dias, enquanto no bebê é constante. Ela não descarta, porém, a utilização de um hidratante já nos primeiros meses de vida.

Aí vem a pergunta: do que realmente um bebê precisa? O que podemos ou não usar neles?

Vai aí alguma dicas importantes antes da escolha produto.
  • Observe se os produtos são dermatologicamente testados.
  • Se são hipoalergênicos, produtos desenvolvidos com compostos que oferecem o mínimo risco de provocar alergias na pele. Não dá pra assegurar que eles não vão provocar alergias, mas, a possibilidade é bem menor
  • Se seu registro esta realmente deferido no Ministério da Saúde como produto seguro para utilização no seu bebê.
          Você pode fazer a pesquisa neste link: registro de produtos, guarde em seus favoritos ele pode ser util!
  • Observe as substâncias e corantes presente na composição dos produtos , assim como a ausência de álcool, em colônias especialmente, é um bom indicador.
  • Cuidado com as fragrâncias selecionadas, nada muito forte, como forma de evitar a irritabilidade.
Abaixo algumas dicas e opiniões sobre cada produto que nós gostamos de usar com nosso bebê.


Xampu/condicionador 
 De acordo com a pediatra Sandra Oliveira, não há comprovação de que o extrato, responsável pelo perfume do xampu, traga benefícios. "O indicado é neutro, com o mínimo de perfume e corante", diz. Mas os mais cheirosos também não devem fazer mal. "A quantidade de extrato que colocam na fórmula é pequena", garante a dermatologista Denise Steiner. Há ainda os xampus para cada tipo de cabelo. Funcionam? Sandra garante que o cabelo da criança não vai ficar mais liso ou cacheado. Esta é uma preocupação desnecessária para quem ainda nem completou 1 ano.


Hidratante 

"Só se a criança tiver algum problema especial, do contrário, ele é desnecessário", afirma a pediatra Sandra Oliveira Campos. Geralmente, quem precisa são as crianças com pele seca – alérgicos são mais suscetíveis ao problema – e as que moram em regiões muito frias. "Elas tomam banho demorado e muito quente. Depois, entram em contato com o frio e o vento, ressecando a pele", afirma a dermatologista Tania Cestari. O hidratante, de preferência neutro, deve ser passado até três minutos após o banho para não reduzir a eficácia. A mãe deve enxugar o excesso de água e passar o produto.


Talco 
Não é recomendado pelos especialistas. Quando a mãe passa talco no bebê, produz-se uma névoa que é aspirada pela criança, podendo causar problemas respiratórios e alérgicos. No site Cancer Prevention Coalition  ele explica como o talco é feito e que o mineral que o compõe é tóxico e pode vir a causar câncer. O objetivo deste site é fazer com que as pessoas exijam que certos produtos que são comprovados por causar câncer sejam retirados das prateleiras Americanas.


Nas palavras do Dr. Robert Steele (Pediatra na Saint John’s Regional Health Center em Springfield, Colorado):
Talco é geralmente composto de várias combinações de estearato de zinco, silicatos de magnésio e outros silicatos todos são em forma de pó. O tamanho das partículas é tão pequena que elas são facilmente carregadas pelo ar, como poeira e podem alcançar até mesmo as menores áreas do pulmão.
Houveram inúmeros relatos de bebês com episódios fatais de inalar o pó. E, de fato,tem havido muitas mortes relacionadas a aspiração do pó. Um bom número desses casos ocorreram durante uma troca de fraldas quando supervisão de um adulto é geralmente alta. Mas, como todos os pais sabem (inclusive eu), bebês e crianças são muito rápidas, pegar e derramar o frasco de talco não é uma coisa tão difícil para eles.”

Sabonete
A recomendação é bem parecida com a do xampu e também vale para crianças de todas as idades. O sabonete deve ser o mais neutro possível, pois o pH próximo ao da pele ajuda a evitar ressecamento e irritações. "Procure optar por produtos infantis, que são hipoalergênicos e adequados para os pequenos", afirma o pediatra Antônio Carlos Madeira, do Departamento Científico de Dermatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, no Rio de Janeiro. Sabonetes de glicerina neutros também são bem-vindos.



Óleo
Se a pele do bebê não precisa, o uso do óleo é desnecessário. Crianças podem usar os óleos vegetal ou mineral. De acordo com o pediatra Valter Kozmhinsky, o de origem vegetal causa menos irritação e é mais absorvido. No entanto, ambos ajudam a hidratar peles secas. Quem optar pelo óleo, não precisa de creme. "O óleo é muito utilizado em massagem", lembra. Além de ajudar na limpeza do umbigo, por exemplo, pode ser usado na remoção de caspas do couro cabeludo e passado alguns minutos antes do banho.


Perfume 
Nada de perfume. É consenso entre profissionais da saúde: "Bebê limpinho já tem cheiro bom". Só que muitas mães, para não dizer a maioria, gostam de ouvir "como esse bebê é cheiroso" e levam um para casa. O que muitas desconhecem é que o produto pode causar irritação – tanto respiratória quanto na pele – e alergia. A criança pode ter reação ao cheiro. "Teoricamente, a mãe não deveria usar no bebê. São substâncias que entram em contato com a pele sem necessidade. Em último caso, é melhor passar na roupinha, mas mesmo assim bem pouquinho", avisa a dermatologista Denise.


Protetor solar 
Há controvérsias. Alguns especialistas recomendam utilizar após os 6 meses, outros, só depois de 1 ano porque pode causar irritação. Em comum, o fato de que o protetor defende o bebê do sol. "Na praia, por exemplo, os pequenos devem permanecer na sombra e, de preferência, vestidos com uma roupa leve. O melhor horário para o passeio é o início da manhã. Mas o fator de proteção tem que ser alto", assegura o pediatra Valter. O indicado para crianças pequenas é o de fator 30, porque protege mais. Só o médico deve indicar a marca.



Beijos, Alê







Fontes de pesquisa: revistacrescer.globo.com
                               mamaemoderna.wordpress.com

Este texto também já foi publicado no Mamis.

2 deixe seu comentário!:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário! Volte sempre!