segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Parto domiciliar, realidade para poucas.

O nascimento pra mim sempre foi um mistério, desde quando fiquei gravida a primeira vez e no final caí em uma cesária, que hoje sei que foi totalmente desnecessária, ficava na minha cabeça martelando que podia ter sido diferente se...

Tantos "ses" que me atormentaram por quatro longos anos. Só que novamente estou gravida, e desde então pude fazer uma coisa que na gravidez de Anna laura eu não fiz: me informar.


A forma como nascemos passou de um fenômeno simples, protagonizado pela mulher, para um ato cirúrgico centrado na figura do medico, mas desta vez eu estudei, eu me informei, eu quero ser protagonista no nascimento de meu Miguel. Isso é crime? Quero ser respeitada na hora do MEU parto. Não posso?

Essa semana que passou foi uma semana de alegria, expectativa e tristeza pra mim. Deixa eu explicar: ogo depois da decepcionante consulta com minha GO, me surgiu uma esperança.

Com um colega de trabalho, onde a esposa dele é enfermeira, consegui um contato de uma enfermeira obstetra! Sim, uma chance de ter meu sonhado parto humanizado. Entrei m contato com ela, Valdirene, conversamos rapidamente e marcamos uma visita a maternidade. Só pelo telefone ela me deixou bem segura, e comentou que também estava começando o projeto de parto domiciliar! E aí pense em uma gestante radiante, eu!!! rsrsrsrs

imagem do google
A alegria

Falei com meu marido sobre o encontro, e na segunda-feira, 27.01, estávamos lá! A conversa foi otima, nos passaram muita confiança, que eles sabem realmente o que fazem e o principal de tudo: são realmente humanizados. Foi uma conversa longa, proveitosa. Cada dúvida que me passava na cabeça, eles logo me respondiam com a reposta certa.

Depois eles, sim, quase esqueço, ela trabalha em parceria com outro enfermeiro obstétrico, o Teógenes, muito simpático, e foi ele quem mais falou durante a consulta. Olharam meus exames, me examinaram, examinaram minha cicatriz, auscultaram o Miguel.

( como é bom escutar o coração de meu filho, porque durante toda a gestação só escutei apenas uma vez, quando fiz a ultra morfológica, porque no aparelho da obstetra não tem áudio)
imagem do google

A expectativa

Tudo certo, só faltava uma coisa: saber o preço. Eles falaram que iam cobrar preço simbólico, por eu estar já em estagio de gravidez avançado, 38 semanas, e pelo projeto ainda estar no começo!Achei legal, mas ainda tive que esperar até a  quarta feira para saber o orçamento.

imagem do google

A tristeza

Na quarta feira a noite, recebo um telefonema de Théo, avisando que ia mandar o orçamento e pediu meu e-mail, cinco minutos depois, ouço aquele toque no celular avisando: chegou e-mail!!!! Li, reli e depois li de novo. Eles me cobraram um valor do que eu posso pagar. não se qual o preço no geral que são cobrados em partos domiciliares, eu acho que esse valor minimo realmente, mas pra mim isso seria um custo muito alto. Eu sei que foi uma balde de aga bem gelada na minha cabeça, me avisando, acorda menina isso não é pra você não...

Mandei o orçamento pro marido, e como eu esperava, a resposta veio também fria e desencorajadora: NÃO, eu não ajudo a pagar esse valor.

Tudo esta muito em cima da hora, muito perto, eu não tenho condições de arcar sozinha, sim sozinha, com todo esse custo. E mais uma vez a tristeza tomou conta do meu coração...

Uma lágrima caiu... várias...

Sabe eu realmente tive esperança de receber meu Miguel aqui em casa, com tranquilidade, com naturalidade como ele merece, mas se não for um planejamento prévio, desde o inicio da gestação, fica meio inviável para uma mulher de classe media fazer acontecer, pois o custo é alto. Isso eu falo porque moro no interior, super difícil achar equipe humanizada, mas em outras cidades que já possuem, o custo provavelmente deve ser muito maior. Chego a conclusão que por mais que a mulher queira, o querer simplesmente não paga o parto, na realidade da minha cidade, na minha realidade, o querer não é suficiente.

Então voltei a minha realidade,meu plano inicial e bola pra frente! Foi com um aperto enorme no coração que no outro dia respondi o e-mail avisando que não ia ter condições, mas ainda não devolveram uma resposta...

Beijos